Petisco


Adriano Edmundo é um conhecido advogado e empresário do Alto Vale do Itajaí (SC), um bon vivant, que gosta de tomar aquele whiskynho da diretoria, uma cervejinha bem gelada ou um vinho (às vezes ele mistura tudo e sobe no telhado, mas não vem ao caso!) A distinta família do Adriano Edmundo é composta por ele (claro), sua paciente esposa Cláudia e seu filho adotivo, mas que puxou ao papai, Zé Bob.

Dr. Adriano Edmundo gosta de receber seus amigos na sua residência, que podem adentrar por aquela fina porta branca laqueada, para a área de festa, onde serão certamente bem servidos.

No último evento realizado na residência do ilustre Dr. Adriano Edmundo, seus convidados puderam degustar apetitosos camarões, aqui batizados em homenagem à tão distinto personagem:

Camarões à la Adriano Edmundo

  • 01 kg de camarões limpos (recomeda-se o camarão rosa), marinados em suco de limão, sal, pimenta do reino moída na hora, cebola de cabeça, um pedaço de pimentão e água;
  • Farinha de trigo, para empanar
  • 02 ovos batidos, com aprox. meia xícara de leite e 1,5 colher de sopa de trigo (fica parecendo uma massinha, bem molinha)
  • Farinha de rosca
  • Palitos de dente, para espetar os camarões

Modus Operandi

Os camarões vão um a um pro palito (previamente umedecidos), e passam nessa ordem: pelo trigo, pela massinha a base de ovos e pela farinha de rosca. Devem ficar bem cobertos, em cada uma das etapas.

Deve ser frito em óleo ou gordura, previamente aquecida, mas não muito quente, para não queimar por fora e ficar cru por dentro. Usamos um fogareiro com um disco que lembra uma wok, que pode-se puxar os camarões pro ladinho, a fim de ficarem bem sequinhos.

Rende aproximadamente 06 dúzias

Sirva bem quentinho, acompanhado de um limãozinho!

PS: Dr. Adriano Edmundo não é o autor da receita. Mas é que ele gosta muito, então, nossa homenagem a ele, que faz parte da Diretoria!

Fotos Cristiano Moreira, JC Fotografia

crédito fotos: Cristiano Moreira, JC Fotografia

Bem sequinha, fina, feita a partir de carnes nobres de porco,  bem condimentada e picante, ideal para aperitivos.

linguiça húngara

Em Curitiba se encontra no Mercado Municipal e casas de frios ( em supermercados nunca vi).

O Coalho é joinha mas precisa de um “plus a mais” pra ficar mais atraente.

Coalho desespetado em cubinhos foi com um fiozinho de azeite pra frigideira, tostou um pouquinho de cada lado (e um cubo tem muitos lados!) e vai pra mesa acompanhado de uma geléia de pimenta!

petisco de coalho

Não era o caso, mas uma cervejinha agregaria valor à dupla.

Petisco engraçadinho para os dias de festoca em casa.

Eu às vezes tenho dó da sardinha. Ela é tão bacana e gostosinha, já prontinha ali na lata, baratinha, dizendo: “me leva! me leva!” e as pessoas só olham pro atum, na lata mais bonita, cmais fashion, uma coisa assim meio “O Velho E O Mar”.

Bem, cá estou eu em defesa das sardinhas!

Paté de Sardinhas

Não é nem exatamente uma receita: basta misturar as sardinhas amassadas, um pouco de cebola picada, maionese (um tantinho de leite para desvirtuar a maionese), vinagre e temperar. Eu temperei com um tantinho de tempero caseiro pronto, e um pouco de pimenta calabresa.

Para comer com torradas de torradeira- daquela que pula!

pate de sardinha

Acho atum de latinha uma coisa tão versátil… sempre tenho uma latinha de atum e de sardinha no armário para me socorrer.

Não que esta fosse uma situaão de emergência, mas deu uma vontade!!

Paté de atum (ou de sardinha)

Amassar o atum, temperado com um pouco de suco de limão (ou vinagre). Juntar uma cebola picada muito miudo, duas colheres de maionese e um pouquinho de leite, para disfarçar o gosto da maionese.

Adicionar salsinha fresca picada, sal e pimenta.

Bom para comer com pãozinho, com bolacha… com uma cervejinha, com uma garrafa de vinho… ou um suco de maracujá! ;-)

O pãozinho? De novo, este daqui, desta vez temperado com pimenta calabresa e orégano.

paozinho com pate de atum

Um monte de crostata!!

Eu usei a mesma receita passada, desta vez substituindo a farinha de trigo integral por semolina.

Está certamente mais próxima da massa perfeita! Aliás, não sei se dá pra ficar melhor do que isso não!

  • Metade da crostata  foi comida ainda quente, pelando, entre uma fornada e outra
  • Ah, se eu tivesse um forno a lenha ou uma pedra para assar pizza! Ninguém me segurava!

crostata

Já falei que essa massinha e a cerveja foram feitos um para o outro? ;-)

O feriadão está aí, minha gente! Que tal começar a produzir os petiscos pro período?

Baba Ganoush é a melhor maneira de consumir berinjela, na minha opinião! Esqueça berinjela alho e óleo, à milanesa, de qualquer maneira.

Não sou só eu que penso assim não! A Sandra (oi Sandra!) , minha amiga e colega de FAE e de boteco, também adora e pediu a receita!

E um prato de origem árabe, que leva basicamente berinjela assada ou grelhada e tahine, uma pasta de gergelim.

Vamos aos fatos:

02 berinjelas maduras mas firmes, bem furadinhas, vão por cerca de 45 minutos para o forno junto com 06 dentinhos de alho – não se assute, porque assado, o alho fica bem mais suave! Preste atenção depois de uns 20 minutos, porque o alho deve ficar bem macio, e não torrado. Se já estiver macio, tire o alho do forno e deixe a berinjela cumprir o seu tempo.

Pois bem, tudo devidamente assado e esfriado, porque ninguém quer queimar o dedo, abra os dentinhos de alho, e os esprema num prato. Abra as berinjelas e com a ajuda de uma colher, raspe a poupa.

Adicione uma colher de sopa de tahine, mais o suco de meio limão, azeite de oliva, sal à gosto e pimenta. Geralmente eu uso pimenta calabresa, mas deste vez usei pimenta do reino.

baba ganoush

Poso, duas berinjelas rende pouco, menos de um prato fundo. Faça pelo menos duas, senão não justifica o tempo do forno.

Sirva com pão sírio, crostata (casquinha de pizza), com bolacha salgada, com torrada… e para quem é do vinho, vinho, quem é de cerveja, cerveja! Até quem não gosta de berinjela gosta!