Arrisco-me a dizer que essa é minha massa preferida; porque leva alho e manteiga, porque é muito fácil e rápido de fazer e eu sujo só uma panela! :-)

 

Para ter sucesso, no entanto é necessário que a massa seja ótima e cozida al dente; a manteiga seja de boa procedência, o alho não seja daquele picado de potinho, a pimenta do reino e o parmesão sejam moídos na hora.

 

A hora que a massa vai pro escorredor, eu volto na panela um tantão de manteiga (com um fio de azeite para evitar queimar), muito muito alho muitíssimo bem picado (uso o mixer), sal, pimenta do reino e salsinha. Uma fritada rápida, volta o macarrão junto com o molho e voilá!

Basta servir, com uma porção generosa de parmesão! ADORO!!! Realmente me faz feliz!

 

A minha versão do frango ao curry da Andréia:

 

Peito de frango temperado com alho, pimenta do reino, sal e limão;  Regofados com manteiga e cebola, curry e creme de leite. E muita salsinha!

Por que eu nunca tinha feito isso antes?? :D

 

 

…podem ser deveras fashion!

Lindos filés altos, vão para a panela de ferro beeeem quente com mateiga temperada com chimichurri e sal.

Não precisa de mais!

 

 

* Eu costumo comprar chimichurri seco no Mercado Municipal, e a partir dele se faz o molho para acompanhar churrasco; no entanto, eu o uso como tempero em carnes, visto que é um mix de cheiro verde, pimenta calabresa, orégano, alho, cebola y otras cositas más. Para saber mais sobre o chimichurri, clique aqui e descubra por quem entende!

 

Povo, conheçam a Luíza!

Os antecedentes criminais da Luiza não podiam ser melhores: Blogueira, marketeira, top 5 expert, mafagafo expert, e uma grande filósofa de boteco, não só na mesa do boteco propriamente dita, mas fora dela também. Curitibana gente fina, acredita que somente o rock e uma cerveja gelada podem salvar uma alma desonrada neste mundo. Ah! Tenho que dizer que ela foi a pessoa que me apresentou meu novo vício, que ainda bem que é lícito e saudável !

 

Como começou a cozinhar?

Olha, cozinhar, mas cozinhar de verdade, eu não cozinho. Desenvolvi maneiras de não morrer de fome lá pelos 12 quando descobri que virar panquecas era divertido. Mamãe fazia, eu atirava pra cima. Com o passar do tempo ela ficou com medo e passou a sair da cozinha – o que é estranho porque com o passar do tempo a minha mira melhorou – e eu assumi tudo.

 

Gosta de novidades na sua cozinha?

Adoro! Diversão lá em casa é ir no mercado sem saber o que vamos fazer no almoço, passar o sábado fazendo experimentações esdrúxulas. Foi assim que surgiu o wrap.

 

Doce ou salgado? Quais seus preferidos?

Compotas de todos os tipos e chocolate amargo. E queijo. Queijo é vida! Diversão é chegar no balcão de frios e descobrir um que eu ainda não experimentei pra levar pra casa.

 

O que não falta na sua cozinha?

Azeite, queijo, leite, (lá em casa vão dois litros por dia), nescau e café solúvel pra pôr no leite, rúcula (já lavadinha e pronta pra eu colocar dentro do pão quando chego em casa).

 

Suas especialidades?

Panquecas, tortas salgadas, sanduíches e toda sorte de receitas do tipo “junte tudo o que tiver na geladeira”. E desde o final de semana passado, wraps.

 

Ingredientes
– Wrap de pacote ou pão folha
– Rúcula
– Passas brancas
– Ricota

Amassar a ricota e misturar com*
– Azeite
– Sal
– Pimenta do reino
– Cheiro verde, cebolinha, manjericão, hortelã e todas as coisinhas verdes disponíveis
– Creme de leite (só um pouquinho pra dar o ponto)

*Dica da Fer – colocar nozes ou passas picadas.
*Dica da Ana (historiadora e professora do curso de gastronomia da PUC-PR) – colocar suco e raspas de limão.

Colocar o wrap na frigideira pra ficar dourado. Se for pão folha, não precisa. Montar o wap com um fiozinho de azeite, a mistura de ricota, as passas e a rúcula.

Em comemoração ao aniversário do Rainhas do Lar, nos reunimos num almoço luxo no sábado no Hoo Café! Bem, digamos que o encontro, pela duração, foi suuuper bem sucedido! Afinal, um almoço até as oito da noite, não é para qualquer um, hein?

Imaginem um dia beeem lindo, céu azul, uns 30 graus (coisa rara), um lugar super agradável, bem verde, comida ótima e companhia idem?

Silvana, Sam, eu, Mel, Sandra e Andrea

 

 

Da esquerda para a direita: Silvana, Sam, Fernanda, Mel, Sandra e Andreia.

Oh mulherada animada, viu?

 

Pra começar bem o dia! Iogurte natural não é novidade na blogolândia. Mas eu queria fazer, então deixa eu mostrar! O melhor deste é que não tem que ficar com aquela criação de bicho, trata os bichos do iogurte, dá banho neles… me dá calafrio só de pensar! (Desculpe aí quem é fã dos bicholinos).

 

Para 1 litro de iogurte:

200 ml de iogurte de copinho, natural

01 l de leite, de saquinho

 

Ferver o leite (sabe que ferver o leite sem derramar não é para qualquer um!) e deixar amornar até poder deixar o dedinho (devidamente limpo e esterelizado), durante 10 seg no leite. É um morno mais quentinho do que para o fermento de pão.

Dissolver o iogurte, colocar em recipiente (usei vidro, esterelizado, e cobri com plástico filme), e guardar durante a noite em local quentinho. Usei a bolsa térmica.

No dia seguinte, lá tá o iogurte lindo!

Eu tô comendo com melado, passas e nozes. Com mel também fica bom. E com geléia. E decerto até com açúcar, que não é uma coisa que me atrai muito, não.

 

Iogurte Natural

Para quem achou a explicação muito sucinta, sugiro dar uma passada aqui, na casa da Dadivosa, que tem bem explicadinho nos mínimos detalhes! ;-)

Ah, e para quem tem algum ‘causo’ para contar, não perca a promoção!