Meus pais sempre tiveram métodos muito peculiares de educar – eles fizeram um cursinho intensivo com o analista de Bagé e a partir daí, desenvolveram a própria metologia, patenteada, que pode ser aplicada tanto em crianças quanto gatos ou cachorros!

Eu não sei que idade eu tinha na ocasião, mas calculo que fosse uns 04 anos. Eu era LOUCA por comidas em conserva de vidrinho, especialmente champignon e cereja. Diz a Motsia que eu fazia um escândalo cada vez que eu via o vidro de champignon.

Um dia, cansados daquela pirraça toda, que seu bem os conheço, deve ter sido uma vez só, eles aplicaram um método muito ortodoxo (mais ortodoxo que pijama listrado), de eficácia comprovada mundo afora.

Eles me sentarem em frente a uns 03 vidros de cogumelo. E disseram: “Agora come! E tudo. E sem reclamar.”

Reza a lenda que o primeiro vidro eu era só alegria, o segundo fui comendo já sem tanta empolgação e o terceiro não quiz mais. Mas como era parte do processo, eu tive que comer o terceiro vidro até o fim, até sair champignon pelas orelhas. Preciso dizer que foi goela abaixo?

(Já já vem minha mãe aqui comentar que por isso que eu era uma criança educada).

O fato é que apesar do porre, eu continuo louca por cogumelos. Não tanto o champignon de vidrinho, mas in natura. Qualquer um, cogumelo paris, shitake, shimeiji…

E o meu método preferido é assim:

Limpar os cogumelos, fatiar e passar na frigideira com um fio de azeite de oliva, sal, pimenta do reino moída na hora e tomilho. É bem rapidinho, pra não ficar emborrachado ou torrado demais.

Para servir com salada de alface roxa, frisé e radicchio.

cogumelos e salada

Quanto às verduras, a Motsia tinha alucinações auditivas e dizia: “Eu ouvi a Fernanda pedindo alface! Eu ouvi a Bruna pedindo mais feijão!” Engraçado que as alucinações desapareceram misteriosamente! ;-)

  • Ccogumelo não se lava; Limpe bem com uma escovinha, pano de prato ou guardanapo
Anúncios

Era uma vez uma galinha de tv de cachorro. Mas não era qualquer galinha; era uma galinha multifuncional master plus (a Giselda), que além de almoço, virou sanduíche, virou canja, virou caldo de frango e (ufa) risotto.

Eu não aguentava mais ver aquela galinha que não acabava nunca! Apesar de estar uma delícia, parecia que a bicha estava dando cria na geladeira.

Eu já falei sobre o risotto tradicional aqui. Esse não tem quase nada a ver com aquele, mas eu quiz chamar de risotto porque achei que estava mais pra risotto do que pra carreteiro. E o prato é meu, eu chamo como quiser!

Então vamos aos fatos: muitas lacas da Giselda, refogadas com alho, cebola e uns champignons frescos fatiados no azeite; 01 xícara de arroz integral; 03 xícaras de caldo de galinha caseiro – cortesia da Giselda tb.

Para temperar, um pouco do tempero caseiro e pimenta do reino moída na hora e um tantão de cheiro verde, porque estava precisando de uma corzinha no prato.

E super restôdontê, mas ganhou um charme com o cogumelinho.

risotto de frango e champignon

E não percam o próximo episódio:

Alcachofra x Fernanda!

Deia

Andréia é paulista, entomóloga  , e professora  universetária em Registro, SP. Já foi Miss Registro e é aparentada com um famoso cantor de lambada, o Beto.
Ela também ‘mãe’ de uma felina,  super fashion, animadérrima , rockeira, gente fina da melhor qualidade e cozinheira de mão cheia!
Querem ver?

Como começou a cozinhar?
Bem cedo, ainda criança, assando bolinhos em latinhas de sardinha. Com uns nove anos me lembro da primeira incursão a cozinha: a famigerada “sopa de bolas”. Eu e minha irmã pegamos a receita em um livro vegetariano da minha mãe, ia uma massa (em bolas) que cozinhava no meio da sopa. Ficou horrível, sopa com umas bolotas de massa boiando…é só lembrar da “sopa de bolas” para dar umas boas risadas.

Gosta de novidades na sua cozinha?
Sim, sempre. De novos ingredientes a utensílios (eu quero um Turning Food Centre da Polishop, para fazer minhas próprias massas e linguiças!)

Doce ou salgado? Quais seus preferidos?
Para fazer, doce, para comer, os dois.

O que não falta na sua cozinha?
Leite (sem esse eu morro). Cebola, alho, gengibre, shoyo, pimenta-do-reino (para moer na hora) e algum doce na geladeira.

Suas especialidades?
Com certeza absoluta, ovos de páscoa, bombons e bolos de aniversário.

Minha receita:

Frango ao champignon e curry
(1 porção)
Para o frango.
1 filé de peito de frango
1 dente de alho ralado
1 pedaço pequeno de gengibre ralado
sal
pimenta-do-reino moída na hora

Tempere o filé com alho, gengibre, pimenta-do-reino e sal. Grelhe com manteiga e um pouco de azeite. Reserve

Para o molho de champignon ao curry
3 champignons (dos grandes) frescos e fatiados
1 dente de alho ralado
3 colheres de sopa de creme de leite
Manteiga
pimenta-do-reino moída na hora
sal (se precisar)
Curry à gosto

Na mesma frigideira onde o frango foi grelhado, adiciono um pouco de água e deixo ferver. Passo por uma peneira e reservo o molho. Na frigideira limpa, adiciono o alho e a manteiga e deixo fritar, em seguida adiciono os champignons fatiados e deixo refogarem. Adiciono duas colheres de sopa de molho coado da frigideira (ou o quanto vc quiser), o creme de leite (o quanto bastar, na verdade eu raramente utilizo medidas) e o curry. Coloque um pouco e prove, até acertar o aquantidade ideal para vc. O curry é “forte” e ardência vai do gosto de cada um.

Para acompanhar
Ervilha torta e champignons na manteiga e alho.

Fiz um pré-cozimento nas ervilhas e nos cogumelos (água quente e água gelada depois). Manteiga, alho, legumes, sal e pimenta-do-reino na frigideira.

Dicas:
Eu fiz uns cortes superficiais no filé, para grelhar mais rápido e assim não ficar seco.
Uso sempre champignons frescos, pois são mais baratos e gostosos. Aqui uma bandeja custa R$ 4,00.
Se vc tiver o creme de leite fresco, é melhor. Eu não tinha e usei o de caixinha.
Essa receita é uma invenção minha, eu geralmente acompanho com macarrão primavera, não com vegetais! Hj deu vontade de fazer os legumes.

frango ao champignon e curry