Era uma vez uma galinha de tv de cachorro. Mas não era qualquer galinha; era uma galinha multifuncional master plus (a Giselda), que além de almoço, virou sanduíche, virou canja, virou caldo de frango e (ufa) risotto.

Eu não aguentava mais ver aquela galinha que não acabava nunca! Apesar de estar uma delícia, parecia que a bicha estava dando cria na geladeira.

Eu já falei sobre o risotto tradicional aqui. Esse não tem quase nada a ver com aquele, mas eu quiz chamar de risotto porque achei que estava mais pra risotto do que pra carreteiro. E o prato é meu, eu chamo como quiser!

Então vamos aos fatos: muitas lacas da Giselda, refogadas com alho, cebola e uns champignons frescos fatiados no azeite; 01 xícara de arroz integral; 03 xícaras de caldo de galinha caseiro – cortesia da Giselda tb.

Para temperar, um pouco do tempero caseiro e pimenta do reino moída na hora e um tantão de cheiro verde, porque estava precisando de uma corzinha no prato.

E super restôdontê, mas ganhou um charme com o cogumelinho.

risotto de frango e champignon

E não percam o próximo episódio:

Alcachofra x Fernanda!

O que acontece se tu sabe fazer risotto, tem carnoli em casa e encontra no freezer lascas de bacalhau? Precisa mais pra ser feliz num domingo à noite?

Se estiver frio como estava aqui, coloque o marido para fazer fogo na lareira e tire os felinos da cozinha, senão tu não vai conseguir fazer o teu risotto de bacalhau em paz!

Na panela, refoguei alho e pimenta e as lascas de bacalhau; segue 01 xícara de arroz; juntei vodka, porque o vinho que ia tomar era tinto e achei que não tinha a ver ali naquela panela. Coloca o caldo, mexe, coloca mais caldo (eu não sou nada ortodoxa e usei um caldo de alho pronto),  acerta o sal, pimenta, rala um pouco de noz moscada, junta a manteiga e abafa.

Sirva com parmesão ralado na hora por cima e acompanhe um vinho!

risotto de bacalhau

O risotto é um prato ótimo para fazer em dias de festa, pois é prático e relativamente rápido, além de dar o mesmo trabalho fazer para duas pessoas ou para dez!

Risotto é uma palavra italiana que significa “sopa enxuta”. Há várias lendas sobre a origem do risotto, mas a minha versão pessoal, é que deve ter surgido como um prato simples, para aproveitar ingredientes e alimentar de maneira satisfatória uma bando de pessoas famintas!

A diferença do risotto para o nosso arroz, além da variedade de arroz, é o modo de cozimento. Enquanto no nosso arroz adicionamos água e o deixamos quietinho até secar, o risotto é cozido em bastante caldo e deve ser mexido constatemente para ficar bem cremoso.

O arroz ideal para risotto são o arbóreo e o carnoli. Os grãos são mais gordinhos e liberam mais amido. Como o risotto é cozido em bastante caldo, um bom caldo caseiro, de carne, frango, legumes ou frutos do mar faz bastante diferença. Mas como ninguém é santo, um caldo pronto super serve também.

à esquerda, arroz branco comum, à direita, carnoli

à esquerda, arroz branco comum, à direita, carnoli

Para cada xícara de arroz, são cerca de 04 de caldo. Aqui em casa, a minha medida é uma xícara de arroz para 02 pessoas.

Risoto básico:

Numa panela de fundo grosso, refogue em azeite de oliva, alho e cebola. Adicione o arroz. Quando o arroz já estiver fritinho, adicione cerca de 01 concha de vinho. Mexa com a colher de pau, até que o arroz absorva o vinho. Vá adicionando o caldo, já quente, aos poucos, sempre mexendo, até que o arroz absorva o caldo. Então adicione mais uma concha e assim sucessivamente.
Esse processo leva cerca de 20 minutos. O ponto do risotto é um arroz cremoso e que escorre de leve pelo prato. O arroz fica al dente. Acerte sal e pimenta. Acrescente cerca de 01 colher de manteiga e abafe. A manteiga garanta o brilho do seu risotto.

Sirva na hora, bem quentinho, acompanhado de um vinho!