Depois de três dias intermitentes de TCC, dois desses comendo coisas semi prontas, congeladas, que o marido somente levava ao forno, depois da quarta de seis provas, e esse friozinho chato que não vai embora, eu bem que precisava e merecia uma sopa!

Vim os 12 kms entre a faculdade e a casa pensando numa sopinha bem quentinha, bem cremosa, quando lembrei de um mação de espinafre na geladeira.

Sabe como é né? Eu também precisava dar uma  parada, tirar os olhos do computador um pouco.

Fiz a sopa assim: piquei um alho poró e refoguei na manteiga; juntei batatinhas em cubos e caldo de galinha caseiro. Lavei e piquei um tanto de espinafre e juntei à sopa quase pronta. Acertei o sal, moí pimenta do reino na hora e um tantinho de cheiro verde. Quando estava pronta, dei uma batida no mixer para virar creme. Mais um pouquinho de parmesão ralado, e duas cumbucas depois, eu estava quase nova em folha para prosseguir com esse tcc que não acaba nunca.

sopa de espinafre

A foto está fora de foco, mas condiz perfeitamente como eu me sentia: vesga :-S

Anúncios

O que é esse frio doido fora de época?? Nessa friaca, somente uma sopa pode salvar!

Li Julie & Julia esses dias, o livro que deu origem ao filme que deve estrear em outubro. Julie Powell é uma secretaria quase balzaca que decide fazer – e blogar – todas as 500 e tantas receitas do livro Mastering the Art of Frech Cooking (Dominando a Arte da Culinária Francesa), da Julia Child.

Logo no começo do livro, Julie fala de Potage Parmentier,  uma sopa de batatas e alho poró. Eu havia chego em casa meio molhada e com frio, e após atender uma consultoria culinária por telefone (os nachos ficaram bons, Mari?) tudo o que eu precisa era uma sopa, nem que fosse de pedra.

Bem, havia alho poró e batatas, mas não a receita. Mas eu não sou uma pessoa de me intimidar com isso, oh não! (Também não estava a fim de pedir a receita praquele que tudo sabe, o google)

Refoguei na manteiga dois dentes de alho, uma cebola bem pequena e um talo de alho poró finamente picados. Juntei seis batatas pequenas em cubos e cobri com caldo de galinha. Deixei cozinhar até ficar macio, acertei sal e pimenta e salsinha bem picada. Bati parte da sopa no mixer (meu melhor amigo na cozinha), para ficar meio creme.

Ficou diferente da sopa de batatas que eu comia em casa, mas ficou muito saborosa. Aliás, notei uma semelhança entre Julie, Julia e eu. Todas acreditamos  em refogar na manteiga.

potage parmentier

Fui salva por um prato de sopa e uma taça de vinho.

Desde que eu comprei o livro ‘Jamie Oliver: O chef sem mistérios‘, fiquei tentada a fazer essa sopa. Isso foi em 2005. Fui fazer a dita da sopa somente em 2009. Mas quando eu finalmente fiz, que ótima surpresa! Uma sopa leve e ao mesmo tempo de sustância, fácil de fazer e diferente das sopas que eu estou habituada a comer.

Desde qu fiz a primeira vez, não parei mais, e sempre que  vejo alho poró na verdureira,  trago pra casa.

Eu adapto as quantidades, mas segue a receita na íntegra, do livro:

Sopa de Grão de Bico e Alho Poró

Para 06 pessoas

  • 340 g de grão de bico deixados de molho de um dia pro outro
  • 01 batata tamanho média, descascada e picada em cubinhos
  • 05 alhos poró de tamanho médio, cortados em 04 ao comprido e depois fatiados
  • 01 colher de sopa de azeite de oliva
  • 01 pedaço de manteiga
  • 02 dentes de alho finamente picados
  • sal e pimenta do reino moída na hora a gosto
  • 850 ml de caldo de galinha

Simplifiquei o modus operandi, que no livro é meio extenso:

Fritar com a manteiga e o azeite, o alho e o alho poró. Acrescentar o grão de bico, misturar bem, juntar a batata e o caldo de galinha. Ferver até ficar tenro. Ele  cozinha a batata em outra panela para depois adicioná-la à sopa, mas eu não vi propósito nisso não.

O Jamie ( íntima!) recomenda e eu faço isso;  bater um pouco da sopa no mixer ou liquidificador, para ficar um creme. Eu bato metade da sopa e misturo com a outra metade, pra ter um tanto de grão de bico para mastigar.

Ele também recomenda servir a sopa com parmesão ralada e um fio de azeite de oliva, que realmente faz diferença.

O que o Jamie não sabe, é que se deixar o grão de bico de molho na água com sal, a casca não solta. Ele manda descascar o grão de bico antes de pôr na sopa, mas com o truque do sal não carece não. E eu lá tenho cara de quem descasca grão de bico um por um?? Menos, Jamie!

sopa de grao de bico e alho poró

Diz o Jamie que é uma receita australiana.

ps: não estou ganhando nada divulgando o livro ou com o link, é somente para referência de quem se interessar!

Eu poderia ter dito “me esquentar nesta noite fria”  – mas não teria sido tão dramático!!

Enquanto as demais pessoas estão por aí, pelo mundo, na aula (oi pessoal!), eu estou aqui, em casa espirrando e tossindo. E não, não é gripe A, o médico descartou a hipótese.

O que poderia me curar, além de amor e das boletas senão uma canja bem quentinha?

canja

Aí Vocês podem dizer: mas Fernanda, o caldo da minha canja não fica assim corado, fica branquinho…

Sabe o que é que é? Tem que refogar as cousas antes de por o caldo, babe.

Vamos lá:

Refogue na panela bem quente: alho e cebola picados e o peito de frango em cubinhos, com um fio de azeite. Mas refoga bem, deixa o frango quaaase queimar. Agora junte a cenoura picada. Sim, refoga também a cenoura.

Só agora cobre de água, acrescenta um caldo de frango se quiser, e adiciona as batatinhas picadas e o arroz cru. Cada um sabe o seu ponto né? Uns gostam da batata mais firme, outros, se desmanchando.

Acerta o sal, pimenta do reino, e joga um cheirinho verde.

Tome fumegante e aqueça o seu coração também!

Sopa de Lentilhas com Costelinha Defumada

Eu posso comer sopa todos os dias da minha vida, seja inverno ou verão! Pode estar o inferno lá fora e eu traço na boa uma canja com farofa.

Essa é definitivamente uma das minhas sopas preferidas. Não pode faltar no Reveillon, e eu como com bastante frequencia. Aliás, nos meus tempos de rata de academia, no inverno eu praticamente so jantava sopa de lentilha, afinal, lentilha é proteina, e não carboidrato! :D

Na panela, frite o bacon e a costelinha na própria gordura. Junte alho e cebola picadinhos e refogue. Agora é a vez da lentilha. Um caldinho de carne. Agua. Ferve. Acerta sal e pimenta. Encha a pança! Roa a costelinha e se lambuze! Ah, e durma sossegado, afinal não é carboidrato não…. ;)